Translate

sábado, 25 de setembro de 2021

A Tesourinha da mata, Phibalura flavirostris, em Vargem Alta.

 Já havíamos registrado a Tesourinha da mata, Phibalura flavirostris, antes, em 2015, durante visita que fizemos ao Parque Natural do Caraça em Minas Gerais.


Na ocasião, registramos quatro indivíduos e ficamos muitíssimos agradecidos por conhecer esse Cotinga, que como tal, é ameaçado pelo desmatamento. 







Desde então, não havíamos mais encontrado essa espécie. Até agora recentemente, em setembro, nos dias 15 e 16, quando novamente encontramos a espécie, desta vez, três exemplares. Sendo que um casal procurava local para fazer o ninho já com vistas a atual temporada de nidificação nessa primavera que se inicia.

A Tesourinha da mata é uma ave classificada pela IUCN  na categoria NT, nova ameaçada. Essa ameaça decorre principalmente pela redução das matas. É uma espécie que não é encontrada com facilidade. Em nossas excursões, como relatamos, em seis anos é apenas a segunda vez que a encontramos. Alimenta-se de frutos e insetos, havendo relatos de que alimentam os ninhegos com insetos o que provavelmente ajuda no crescimento dos filhotes com mais rapidez, ao contrario de outras cotingas que fazem isso apenas com frutas. Em locais onde são mais comuns, chegam a formar pequenos bandos de até oito indivíduos.

O casal de Tesourinhas, pousado a pouca altura na árvore. Essa depressão do tronco, talvez, possa ser usada como local do ninho já que a árvore possui em seu tronco muitos musgos e liquens.  Esse material, comumente é usado pela Tesourinha para confeccionar seus ninhos.

O casal espreitando os intrusos.




 Nessa foto, temos o macho com um pequeno graveto no bico, provavelmente a ser usado no ninho.

Segundo informações que tivemos, a Tesourinha pode ter até duas posturas por temporada. Uma em setembro/outubro e outra em janeiro/fevereiro. As posturas são de dois ovos.
Isso também é uma característica boa  para a preservação da espécie, já que alguns cotingas, tem postura de apenas um ovo.







Mapa de ocorrência da Phibalura flavirostris, retirado do site Wiki Aves.; https://www.wikiaves.com.br/mapaRegistros_tesourinha-da-mata.


Os pontos em vermelho são os locais de ocorrência onde a espécie já foi registrada. Observar que Tesourinha é uma ave da mata atlântica, mas que ocorre também em localidades mais para o interior como no Mato Grosso do Sul.


O Registro de aves da família COTINGIDAE, sempre é comemorado por nós, posto que, são geralmente aves florestais e como tal, que sofrem algum grau de ameaça.  E foi com esse sentimento que produzimos a matéria anterior, com um pequeno vídeo mostrando a vocalização da Araponga, Procnias nudicollis em uma manhã lindamente ensolarada no lugar. E no caso presente da Tesourinha, além da importância do registro, não há como deixar de admirar a beleza e graça dessa tesourinha.

AGRADECEMOS às pessoas que nos visitam!!


sexta-feira, 17 de setembro de 2021

COTINGAS EM VARGEM ALTA, ES.

 

Nos dias 14 a 16 de setembro estivemos na zona rural do município de VARGEM ALTA neste estado do Espirito Santo, a fim de observar aves. Ficamos muito felizes, pois conseguimos registrar quatro cotingas residindo na área. Ressaltamos que esse local, fica a uma altitude de cerca de 1.100 metros, sendo originalmente todo ocupado pela mata atlântica.

Ouvimos muitas arapongas, Procnias nudicollis, conforme pode ser visto e ouvido no pequeno vídeo abaixo.

Também registramos uma boa população de Corocoxós, Carpornis cucullata, vários Tropeiros da Serra, Lipaugus lanioides e também vimos três indivíduos da Tesourinha da mata, Phibalura flavirostris,

Cotingídeos são aves exigentes quanto ao tamanho e conservação das matas, daí nossa alegria com a constatação de que essas espécies, tão típicas de nossa avifauna, resistem nas matas remanescentes.





A região é até hoje, muito florestada com matas em ótimo estado de conservação.  Pelo programa Google Earth, pudemos traçar uma régua com extensão equivalente a 16 km de comprimento por cerca de 11 km de largura no maior remanescente florestal que observamos no local onde visitamos. Tratam-se de matas nativas, a maioria secundárias, mas com porte de mata alta. Essas medidas que  fizemos, comportam apenas extensão do maior remanescente dessas matas que foi onde visitamos. Essas medidas compreendem cerca de 176 km2 de matas, por alto, o que perfazem cerca de 18.000 hectares no mínimo. Sem contar demais remanescentes. Essas observações podem ser comprovadas observando-se esse vídeo que juntamos.

Posteriormente faremos uma postagem com fotos da Tesourinha, a Phibalura, já que os demais cotingas nos apenas ouvimos, não conseguimos fotografar.

Muito obrigado a todos que nos visitam!!





quarta-feira, 8 de setembro de 2021

O Gavião de cauda curta, Buteo brachyurus,em Vitória.

 Recentemente estivemos no Parque Estadual da Fonte Grande, área preservada existente nos morros circundantes à capital do Estado do Espirito Santo. A surpresa foi encontrarmos dois indivíduos do Gavião de cauda curta, Buteo brachyurus, caçando em área descampada próxima ao local das torres das estações de TV.



O Gavião de cauda curta é um predador de porte médio, com cerca de 35-45 cm de comprimento. As fêmeas são maiores que os machos como é comum na família Accipitridae.

Trata-se de um predador bastante ativo e eficiente, capturando presas de bom tamanho e ágeis. Captura tanto pequenos mamíferos, como aves, lagartos, cobras. Porém, estudos recentes demonstraram que é um gavião especializado em caçar aves, principalmente pássaros.

Avista-lo no local foi interessante para se observar suas técnicas de caça e os métodos utilizados para capturar suas presas.




Este gavião tem uma das técnicas de caçadas mais interessantes: costuma planar a certa altura e quando vislumbra alguma presa, deixa-se cair do alto onde se encontra até o local onde se encontra a presa. É uma técnica semelhante à empregada pelo Gavião-pato, Spizaetus melanoleucus, espécie muito maior e grande predadora.




Quando pensávamos que seriamos premiados apenas com esse individuo, eis que aparece outro espécime, porém, com plumagem de coloração normal predominando o branco.



O Buteo brachyurus, com plumagem normal, morfo claro, onde predominam tons de branco,
.
O individuo acima, de cor predominando para o negro, encontra-se em sua fase chamada de morfo escuro.

Apesar do nome popular de Gavião de cauda curta, a cauda essa ave não é curta conforme podemos observar nessas fotos. Esse nome, provem do latim, onde brachyurus significa cauda curta, não tendo  portanto qualquer conotação relativa ao tamanho da cauda da espécie observada na natureza.

É um gavião relativamente fácil de ser observado aqui em Vitória, já são 17 fotos, desta espécie, nesta data na plataforma Wiki Aves. Ocorre desde o Sul dos EUA e México até a Argentina e em todo o Brasil.
Os individuos morfo escuro desse gavião podem dificultar um pouco a identificação por parte do observador. O Gavião urubu, Buteo albonotatus  apresenta muitas semelhanças, mas a distinção pode ser feita baseando-se em dois detalhes: O Gavião urubu é maior ( 51 cm de comprimento)  e apresenta um padrão das faixas na cauda diferente. Apresenta a base da cauda com uma faixa negra bem destacada, enquanto o Brchyurus tem a cauda barrada com várias faixas brancas.

Agradecemos às pessoas que nos visitam!!!








quinta-feira, 26 de agosto de 2021

Conhecendo uma Sanã vermelha albina!

 Recentemente o amigo e colega passarinheiro do COA/ES e da AMOAVES,  Roberto O. Silva nos brindou com o registro de uma Sanã vermelha, Laterallus leucopyrrhus nos brejos de altitude na zona rural do município de Domingos Martins neste estado do Espirito Santo. Vide reg,: https://www.wikiaves.com.br/4456803. Então, no dia de ontem, 25-8-2021 estivemos no lugar, acompanhados do Roberto, para tentar, também, fotografar essa Sanã, tão curiosa e tão especial!

Sanãs são aves da família Rallidae, e diferem das Saracuras, dentro da mesma família, pelo porte geralmente menor. Essa Sanã vermelha, por ex. tem um comprimento médio de 17 cm. Outras saracuras como a Saracura-sanã mede 30 cm., a Sanã carijó tem 21 a 24 cm., a denominação Sanã, portanto, inferimos é aplicada popularmente devido ao tamanho dessas aves, mas que possuem comportamento e hábitos idênticos às saracuras.

REGISTRO NOSSO DO DIA 25-8-2021, da sanã vermelha:



Laterallus leucopyrrus muito arisca e desconfiada.

Nessa pequena abertura da vegetação de Taboas, Tipha domingensis, conseguimos as fotos,

O albinismo se caracteriza pela perda total dos pigmentos, tanto de melanina quanto de carotenoides. Nessas situações, a ave apresenta a plumagem toda ou parcialmente branca e olhos e outras partes adquirem cor avermelhada. As aves com albinismo geralmente são mais sensíveis à luz solar.


A ave chegou até essa pequena clareira procurando alimento no pequeno córrego.











A abertura da vegetação, de onde conseguimos as fotos.
com o Zoom para se se apreciar detalhes da ave e seu albinismo.
















Encerramos nosso relato desse encontro com a Sanã vermelha albina, nas montanhas do Espirito Santo. Muito obrigado a nossos visitantes.











domingo, 18 de julho de 2021

Beija flores vistos recentemente em Sertão Velho!

  As últimas excursões a Sertão Velho, mostraram um grande número de espécies de beija-flores se alimentando da mesma árvore onde vimos o Saí-de-pernas pretas, Dacnis nigripes. Nesta mensagem, publicamos algumas fotos das espécies, com sua identificações.


 Beija flor de fronte violeta, Thalurania glaucopis. Também é uma espécie comum e como todo beija flor, é muito bonito!
Sua cor verde iridescente é muito destacada. Possui cerca de 11 cm de comprimento e um bico de 1,8 cm. O macho apresenta uma plumagem muito bonita, contendo uma coroa cor violeta na fronte.






O Beija-flor-de-banda branca, Amazilia versicolor. Trata-se de espécie bastante frequente e que algumas vezes nos confunde com a variação de sua plumagem. Mede cerca de 8,5 cm de comprimento, e, como todo beija flor, se alimenta de néctar de flores.
















Beija flor roxo, Hylocharis cyanus, mede cerca de 9 cm de comprimento e é uma espécie muito comum nas proximidades da Reserva de Duas Bocas. 













A graciosa fêmea do Beija flor Roxo, Hylocharis cyanus.


















Beija-flor-roxo se alimentando.



















Uma das menores espécies, mede apenas 8 a 9 cm, o Rabo branco mirim, Phaetornis idaliae é uma ave restrita à mata atlântica, nos Estados de Espirito Santo, Bahia, Rio de Janeiro e Minas Gerais, principalmente nas matas da baixada e das encostas baixas. Apesar do comprimento indicar não ser tão pequeno, a imagem que transmite é ser bem menor, produz um ruído semelhante ás abelhas mamangavas ao voar, resultado da alta rotação de suas asas para se manter equilibrado.






Phaetornis idaliae, já foi considerado raro, talvez pelo pouco conhecimento que se tinha dessa espécie.
Mas hoje, creio que não pode ser classificado como raro, posto que já o registramos em vários locais.








a Fêmea do Estrelinha ametista, Calliphlox amethystina.

Um dos mais lindos e pequenos de nossos beija flores, medindo cerca de 7,5 cm a fêmea. O macho tem 8,5 cm.

Ocorre em todo o Brasil e embora não seja abundante, é um beija flor comum. Vive na mata e também é conhecido como Tesourinha ametista em razão de sua cauda furcada semelhante a uma tesoura.

É outro beija flor que produz um estranho zumbido ao se transportar de um lado a outro, talvez devido seu pequeno tamanho e à grande velocidade das batidas de asas.


Topetinho vermelho, Lophornis magnificus, aqui à esquerda, o macho da espécie.
É a menor espécie de Beija flor do Brasil!

Mede 6,8 cm e pesa 3 gramas!
É endêmica do Brasil, onde ocorre na maioria dos Estados fora da Amazônia e do Rio Grande do Sul.

Não está ameaçada e pode ser registrado frequentemente.










Fêmea do Topetinho vermelho, apresentando um grande dimorfismo sexual, pois não possui o topete vermelho.
















Beija flor de peito azul, Amazilia lactea, espécie de tamanho médio, cerca de 8 a 11 cm e com distribuição em duas regiões separadas: muitos registros na parte oriental do Brasil e oura área no oeste amazônico, Acre e Rondônia.

Muitos estudiosos dizem ser esta espécie que estampou as notas e moedas de 1 real comemorativas dos 25 anos do Real. Há divergências, com alguns acreditando que essa honraria coube a Amazilia leucogaster. (Wiki Aves)



Terminamos nosso relato sobre os beija flores registrados no dia do registro da Saí, Dacnis nigripes. Agradecemos a todos que nos prestigiam com suas visitas!!

                                                                                                   






                                                                                                       




quinta-feira, 8 de julho de 2021

Encontro inédito com Dacnis nigripes.

 

Em nossas vidas de passarinheiros e passarinheiras, muitas vezes elegemos certas aves como as que gostaríamos de encontrar! Não importa se grandes ou pequenas, belas ou não, o fato é que talvez pela raridade ou dificuldade de se conseguir encontra-las, essas aves alimentam nossa imaginação, crescendo o fascínio pelo momento tão sonhado de seu encontro na natureza.

Tal é o encanto que tinha e tenho pelo Saí de pernas pretas, a Dacnis nigripes! Trata-se de um passarinho pequeno, cujo tamanho regula bastante com o do Saí azul Dacnis cayana, talvez nigripes seja um pouquinho menor! espécie muito semelhante e com a qual por diversas vezes, chegamos a confundi-lo. Seria então, algo entre 12-13 cm. de comprimento. É uma ave endêmica da Floresta Atlântica brasileira, que atualmente encontra-se ameaçada de extinção e categorizada pela IUCN na categoria NT. É de fato muito raro e minha experiência confirma esse fato. Somente agora, depois de muitos anos como observador de nossas aves consegui identifica-lo e registrar com várias fotos, Infelizmente os outros integrantes do grupo da passarinhada não tiveram a mesma sorte pois estavam longe no momento.


A ave explorava essa árvore com flores brancas, que não consegui identificar. Esse Saí alimenta-se de frutos, pequenos insetos e néctar das flores. Então, esse individuo solitário, buscava avidamente as flores para sorver o néctar.








Essa árvore atraia grande numero de beija flores e abelhas devido sua bela florada. Foi quando notei o saí no alto da copa, calmamente procurando o néctar. De imediato, pensei tratar-se do Saí azul Dacnis cayana. como disse, acima, seu "irmão gêmeo", tal a semelhança entre os machos dessas espécies.
Esse fato, me levou a diversas vezes, ao fotografar o Saí azul, imediatamente a conferir a cor das suas pernas no afã de encontrar a Dacnis nigripes.



Saí-azul Dacnis cayana. Observar a semelhança entre os machos das duas espécies e notar também a coloração rosa das pernas desse saí.

Essas duas espécies pertencem à família Thraupidae, que congrega numerosas espécies frugivoras e nectarivoras e são aves que habitam preferencialmente as florestas. Já foram mais abundantes e menos difíceis de se registrar. Não se sabe a causa de sua diminuição populacional, uma vez que algumas espécies, suas acompanhantes nos bandos mistos, não tiveram a mesma redução acentuada de suas populações.
A semelhança entre os machos de D. nigripes e D. cayana, não se repete quanto às fêmeas! São diferentes na plumagem e logo ao vê-las podemos fazer essa diferenciação. A fêmea de D. nigripes, que não estava junto ao macho nessa ocasião, é azulada com partes de cor cinza escuro, enquanto a fêmea de D. cayana é verde com salpicos de azul em sua plumagem. As duas espécies apresentam um comportamento bastante distinto. o Saí azul é mais inquieto, rápido nas fruteiras em que se alimenta e exige do fotografo muito atenção para acompanha-lo. Já o Saí de pernas pretas, pelo que observei, é calmo, demora no local onde se alimenta, vira calmamente de lado e quando encontrado, propicia mais chance para o fotografo conseguir "clica-lo"! Essas fotos que fiz demonstra esse aspecto de seu comportamento.


O encanto do bird-watching é justamente conseguir descobrir essas aves misteriosas, identifica-las e podermos aprender sobre seus hábitos, cantos, alimentação, nidificação, etc. São muitos assuntos que podem nos distrair e ocupar a vida inteira!


AGRADEÇO às pessoas que nos visitam e prestigiam esse relato tão pessoal sobre o Saí-de-pernas pretas, a Dacnis nigripes!!








segunda-feira, 5 de julho de 2021

NASCIMENTO DE ARARINHA AZUL, Cyanopsitta spixii, em cativeiro.

 Créditos dessa foto: SAVE Brasil.

Diariamente somos atingidos por muitas noticias ruins abordando o ambiente. Ora são as queimadas na Amazônia, ora o aquecimento global, ora o desmatamento. Então, quando temos conhecimento de uma noticia boa, creio que é muito bom que essa boa nova seja espalhada para aos quatro ventos. Quem sabe, assim, tenhamos uma diminuição das noticias ruins e aumento das boas noticias? Com essa intenção, estamos repassando matéria publicada em https://umsoplaneta.globo.com/  sobre o primeiro nascimento de uma ararinha azul Cyanopsitta spixii.

A Ararinha azul, está categorizada pela IUCN  como  CR- Em perigo critico de extinção, e, segundo o texto da página da espécie no Wiki Aves, http://www.wikiaves.com.br/wiki/ararinha-azul no Brasil, a espécie está "Provavelmente extinta na natureza".

Acompanhamos durante muito tempo, há muitos anos atrás, o trabalho de biólogos tentando a última reprodução natural dessa ararinha na natureza. Infelizmente foi uma experiência frustrada porque a única ave existente solta na natureza naquela época não encontrou um par para acasalamento, chegando até mesmo a tentar o acasalamento com individuo de outra espécie de ararinha, a maracanã, Primolius maracana. Então, hoje em dia, a única esperança restante para resgatar essa espécie é a criação em cativeiro. E é sobre esse assunto que versa o artigo a seguir:


Nascimento de ararinha-azul no Brasil é marco para o futuro da espécie

Considerada extinta desde o começo do século 21, o nascimento de um filhote em 2021, na Caatinga da Bahia, pode ser visto como um sucesso

Por Andre Derviche, do Jornal da USP

 

30/06/2021 08h45  

Em abril, o primeiro filhote de ararinha-azul nasceu na região da Caatinga baiana. O evento ocorreu um ano após a chegada de 52 ararinhas que se encontravam em um criatório na Alemanha. Com isso, o nascimento de um novo filhote marca um importante capítulo na busca pela reintrodução da espécie na natureza.

 

A ararinha-azul é considerada extinta no Brasil desde o início dos anos 2000, quando foi vista pela última vez em território brasileiro. De lá para cá, ela passou a existir somente em cativeiros privados. “O nascimento do primeiro filhote de ararinha-azul na Caatinga é um marco histórico. Ter esse centro de reprodução na Caatinga e araras começando a se reproduzir interagindo com as aves da natureza é extremamente importante e significa um alento e um futuro azul para a Caatinga”, afirma a doutora Neiva Guedes, do Instituto Arara-Azul.

 

Espécie ameaçada

 

A extinção da ararinha-azul esteve ligada ao tráfico de animais e à perda de hábitat, que, até hoje, são alguns dos principais fatores que corroboram para a extinção de espécies. “A maior ameaça das espécies é o que chamamos de perda de hábitat, que é a perda do ambiente natural onde a espécie ocorre. Essa alteração do ambiente pode chegar ao ponto que esse ambiente já não é mais educado para a existência da espécie. Com isso, podemos chegar a pequenos remanescentes desse ambiente adequado onde a espécie consegue sobreviver. Infelizmente, a grande maioria da perda de habitat é causada pela ação humana”, explica a professora Cristina Yumi, do Instituto de Biociências da USP.

Para proteger a espécie, ararinhas-azuis encontravam-se em um cativeiro alemão, a Association for the Conservation of Threatened Parrots (ACTP), que assinou uma parceria com o governo brasileiro. A repatriação das aves faz parte do Plano de Ação Nacional para a Conservação da Ararinha-Azul, coordenado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio).

 

Um processo de controvérsias

É importante mencionar, porém, que as lideranças da organização alemã, também responsáveis por custear a vinda das ararinhas, já foram alvos de investigação, em 2018 e 2019, com relação ao envolvimento com o tráfico de animais silvestres e incertezas sobre o financiamento da organização. Apesar de importantes na preservação de espécies em extinção – tinham em seu poder 90% das ararinhas-azuis existentes no mundo -, especialistas destacam a importância da transparência por parte da organização: “Espero que isso não volte a ocorrer e que as instituições que estão colaborando para a conservação desta arara e a devolução dela para a natureza sejam como têm sido até agora, cada vez mais transparente”, afirma a doutora Neiva.

O nascimento do filhote em 2021, na Caatinga da Bahia, pode ser considerado um sucesso. Isso porque, garantir que uma espécie se reproduza, não é uma tarefa tão fácil. A professora Cristina explica o que está por trás desse processo: “Esse sucesso reprodutivo depende de condições nutricionais e de saúde de cada indivíduo e, no caso de algumas espécies, é necessário também que os indivíduos tenham compatibilidade. Ou seja, eles têm que ter alguma ligação afetiva. Às vezes, a reprodução não tem sucesso porque o par não se gosta”. De acordo com o planejamento divulgado há pelo menos um ano, as ararinhas-azuis devem ser reintroduzidas na natureza ainda este ano, após um período de quarentena para adaptação e treinamento.


👏👏👍🌝