Translate

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

ALGUMAS AVES DO TOCANTINS!

Tocantins é um Estado da região norte do Brasil, que faz divisa com a Amazônia. Dessa localização geográfica resulta uma enorme área de ecótono compreendendo a Floresta Amazônica e o Cerrado. Estivemos recentemente, entre 30 de agosto e 4 de setembro,visitando o Tocantins, guiados pelo André Grassi que fundou a empresa de ecoturismo chamada de eco Birding.

Essa diminuta ave, tem somente 6,5 cm. de comprimento, é o Caçula, Myiornis ecaudatus.

Tocantins se converteu, em pouco tempo, em um dos maiores produtores de grãos do país, com isso, sua exuberante natureza foi muito sacrificada. Nossa excursão ao Estado, limitou-se aos municípios de Palmas ( a capital) Pium, Dois Irmãos e Caseara. Abaixo, postaremos fotos das principais espécies que registramos:



No Tocantins, o cerrado tangencia a Floresta Amazônica, criando um ecótono muito rico em aves!

Fonte do mapa: Wikiaves. (www.wikiaves.com.br)

o Acurana, Hydropsalis climacocerca.













Amarelinho, Inezia subflava.


















Anambé-de-mascara negra, Tityra semifasciata.















Arapaçu-de-bico-comprido

Nasica longirostris.

















Ariramba-preta, Brachygalba lugubris.

















Bacurau-do-lageado, Nyctidromus nigrescens.















Bacurau-de-cauda-barrada,

Nyctiprogne leucopyga.















Batuíra-de esporão, Vanellus cayanus.

















Bico-chato-de-cauda vermelha,

Ramphotrigon ruficauda.

















Cardeal do Araguaia, Paroaria baeri.


















Colhereiro, Platalea ajaja





















Gavião-preto, Urubitinga urubitinga.


















Gralha cancan, Cyanocorax cyanopogon.















Guaracava-cinzenta, Myiopagis caniceps.

















Inhapim, Icterus cayanensis.




















 João do Araguaia, Synallais simoni.

Martim pescador da mata,

Chloroceryle inda.


















Papagaio- galego, Alipiopsitta xanthops.

















Pato-corredor, Neochen jubata.












Pavãozinho-do-pará, Eurypyga helias.


















Pica-pau de garganta branca

Piculus leucolaemus.












Pica-pau-do-parnaíba

Celeus obrieni.




















Pica-pau ocráceo,

Celeus ochraceus.



















Picapauzinho anão, Veniliornis passerinus.



















Saíra-Beija flor,

Cyanerpes cyaneus.

















Tangara príncipe, Chiroxiphia pareola.

















Pomba-trocal, Patagioenas speciosa.















Uirapuruzinho, Tyranneutes stolimanni.














Essas aves maravilhosas foram os nossos principais destaques da excursão aoTocantins.

Muito obrigado pessoas que nos visitam!!!.













terça-feira, 10 de setembro de 2019

AVES & BALEIAS: Birding no MAR!!

No dia 17 de agosto próximo passado, fizemos parte de um grupo de 20 pessoas, observadores de baleias e também de aves, a bordo do barco Armando até à borda da plataforma continental de Vitória, ES, Brasil. Foi uma excursão do Instituto Baleia jubarte, http://www.baleiajubarte.org.br/noticia.php?id=49 , com o Projeto Baleia Jubarte inerente ao instituto. Além das atividades inerentes à preservação das baleias, o instituto dedica-se também à educação ambiental e ao turismo de observação de baleias!



Todos os anos o Instituto organiza o festival das baleias, que consiste em visitas onde as baleias se encontram. E se encontram a uma distância que pode variar entre os 20 e os 50 km da costa de nossa cidade, Vitória. Trata-se de uma migração das baleias, que saem do Polo sul do inverno à procura de águas mais quentes ao norte, notadamente até o litoral do Estado da Bahia. Depois retornam à Antartida!

Chegando ao Pier dos pescadores da Praia do Suá, encontramos o Armando já nos esperando:


Tempo nublado, prometendo chuvas e com possibilidade de mar um pouco agitado!















Deixando nossa cidade de Vitória: passando com o Armando por debaixo da ponte!















O Atobá pardo, Sula leucogaster foi uma das aves mais comuns nessa "passarinhada-baleiada". Esse aí estava  "de guarda" bem na entrada da baia de Vitória.











Várias aves foram vistas no trajeto, como esse Tesourão Fregata magnificens. Mas com o balanço do barco fica difícil manter o foco estável e as fotos não ficaram boas. Essa Fregata estava se alimentando de um peixe.








Trinta-réis, mas muito distantes, não permitindo nossa ID.
















Os pontinhos brancos no horizonte são os navios atracados no porto de Tubarão. Nossa viagem alcançou 42 km. mar a dentro à procura das baleias jubarte. Até então não tínhamos registrado nem uma ave rigorosamente pelágica para fotografar!










Finalmente! Um atobá Sula leucogaster, pertinho do barco.















Um Trinta-réis de bico vermelho, Sterna hirundinacea!















E finalmente também para as Jubarte! Apareceram!

Perto do barco, inclusive fêmeas com filhotes!










Segundo a bióloga que nos acompanhava, essas marcas na cauda das baleias funcionam como uma impressão digital do animal. Não existem duas iguais! Enviamos essas fotos para ajudar o projeto baleia jubarte na identificação dos indivíduos.
 É um animal magnifico. Como conservacionista, não compreendo como nações ditas civilizadas como o Japão ou a Noruega, ainda hoje cacem baleias! E nem precisam disso!

Segundo a Bióloga, uma população de umas 20.000 baleias passam todo ano pela costa do Espirito Santo em migração!! oque é fenomenal!

O "Chuveirinho" das baleias!

Nesse dia elas não pularam fora D'Água! O pessoal ficou na torcida mas não fomos presenteados!

Avistamos 09 (nove) grupos de baleias em nossa aventura!








E finalmente, vimos de perto a primeira e única ave rigorosamente pelágica de nossa excursão:
























Esse Albatroz de nariz amarelo, Thalassarche chlororhynchos.  Considerado pela IUCN como ameaçado, na categoria VU.


  Iniciamos então a viagem de volta, demorando mais de duas horas para chegar a Vitória! Na volta, fomos apreciando os navios nas proximidades.

Não fomos muito felizes com o aparecimento das aves pelágicas, mas tivemos sorte de apreciar as baleias jubarte de perto e nos maravilhar com essa espécie grandiosa!

Essas baleias não estão ameaçadas, conforme a IUCN, estão na categoria POUCO PREOCUPANTE!



O que é muito ótimo para um mamífero marinho que mede cerca de 12 a 16 metros, podendo pesar entre 35 a 40 toneladas! Ou seja, é muito maior que o nosso barco Armando!!!!


O grupo Baleeiro ao final da excursão aos mares de Vitória à procura das Jubarte! ( e das aves pelágicas!)















Muito obrigado Pessoas que nos honram com suas visitas!!!!

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

OS INCRÍVEIS COTINGAS AMAZÔNICOS!

Em nossa recente excursão à Serra dos Carajás no Estado do Pará, tivemos a oportunidade de conhecer quatro cotingas da Amazônia: Araponga da Amazônia, objeto de nosso ultimo post, o Anambé de Peito Roxo,  o Anambé-Una, e o Anambé de rabo branco.


O Anambé-de-peito-roxo, Cotinga cotinga  fotografado no dia 08-8-2019 na Serra dos Carajás, Pará, Brasil.

Sendo ainda uma floresta extensa e com matas altas e continuas, a Floresta Amazônica apresenta uma grande variedade de cotingídeos!


Cotinga cotinga é uma espécie considerada como rara. Mesmo não estando listada pela IUCN como ameaçada, essa espécie é considerada rara, por razões biológicas. Não se trata, até o momento, de ameaças diretas promovidas pelo homem. Encontramo-lo apenas uma vez em nossa recente excursão de seis dias ao norte do país.

Alguns critérios da IUCN, para avaliar a situação de campo de certas espécies, talvez sejam temerários, podendo levar a equívocos. E o principal é considerar uma ave como não ameaçada quando na verdade ela é rara e encontra-se, sim, ameaçada. Esse cotinga não é muito registrada, habita uma área grande. Esse cotinga mede cerca de 18 cm. de comprimento, e seu aspecto e elegante e até mesmo um pouco frágil.



Já o Anambé de rabo branco, Xipholena lamellipennis, é uma espécie que vimos em vários locais onde passamos. Habitando quase nos mesmos locais que o Cotinga anterior, o Anambé de rabo branco, porém, é considerado  pela IUCN  como NT - Quase ameaçado!

É uma ave linda como todos os Cotingas, e pudemos ver alguns jovens. Alimenta-se de frutos e insetos. Mede cerca de 20 cm. de comprimento.








Capturando um petisco!! No caso um inseto de tamanho grande!














Fugindo logo a seguir!












Jovens do Anambé de rabo branco Xipholena lamellipennis.

















Um macho do Anambé-Una, Querula purpurata. Podemos dizer que esse é o Anambé mais frequente nas matas da Amazônia onde estivemos! O número de registros no Wiki aves, também, são consideravelmente maiores que dos outros Cotingídeos que avistamos!.

É uma ave grande, vistosa, que percorre a mata em pequenos bandos e entoando seu canto curioso.

Possui cerca de 30 cm. de comprimento e seu nome já indica, trata-se de uma ave barulhenta! Alimenta-se de frutas e insetos.





Aqui o macho se exibindo para o pequeno grupo de fêmeas.
















O casal de Querula purpurata no alto de uma árvore.
O macho tem esse babador vermelho nas penas da garganta.

Ao ouvir a reprodução de seu canto em gravador, o Anambé Una se agita e chega bem próximo de onde está a voz.











Todos esses Cotingas são aves do interior da floresta amazônica! Numa hipótese de supressão da floresta, mesmo que não seja uma destruição total, essas aves tão características e emblemáticas, estarão imediatamente ameaçadas de extinção!
Algumas, como a araponga Procnias albus, mesmo considerada pela IUCN como em uma situação "Pouco preocupante", habitam territórios restritos e delimitados! Se essas áreas foram suprimidas ou se seu território for vitimado por incêndios, adeus!!!!

Só teremos que nos lamentar pela perda de seres tão espetaculares, e, com certeza, obras primas do criador, tanto pelo lado estético como por seu comportamento tão original e encantador!


Agradecemos às pessoas que nos visitam! : OBRIGADO!!