Translate

quinta-feira, 4 de novembro de 2021

Encontro com a Perdiz. Rhynchotus rufescens.

 Recentemente, nos finais deste mês de Outubro. já em uma primavera muito chuvosa, voltamos a encontrar a Perdiz, Rhynchotus rufescens,


A   Perdiz, Rhynchotus rufescens é um tinamídeo muito bonito e interessante. Trata-se de nosso maior tinamídeo campestre. Tinamidae é uma família de aves neotropicais muito típica do Brasil e da América do Sul. São aves cinegéticas, isto é, aves que interessam aos caçadores!

A Perdiz tem uma vasta distribuição no Brasil, ´principalmente em áreas campestres e ou pastagens. Espécie resistente à ocupação humana dos campos, porém, sendo perseguida por sua carne, a espécie termina por se tornar escassa em muitas regiões. Na primeira vez que fizemos o registro dessa espécie, em Sobreiro, observamos que se torna muito vulnerável durante a época de reprodução. Nessas ocasiões, a Perdiz, à procura de companheiros para nidificação atende com muita presteza ao chamado de sua voz seja por meio dos pios ou mesmo por meio de playback. Isso pode ser fatal se for manobrado por caçadores, o que leva a espécie lentamente à extinção.

Trata-se de espécie grande, com as fêmeas sendo um pouco maiores e mais pesadas que os machos. Para se ter ideia de como a perdiz pode se tornar atraente para caçadores, basta dizer que as fêmeas maiores chegam a pesar 1 quilograma! Com mais de 40 cm. de comprimento.

No sistema de acasalamento da Perdiz, conhecido como Poliandra, tem sido relatado um nítido aumento de reprodução pelo hábito da fêmea em acasalar-se com diferentes machos, sucessivamente, e a aceitação por parte do macho em incubar e cuidar da prole. Esta isenção da incubação e do cuidado da prole permite à fêmea reduzir o tempo necessário entre duas posturas sucessivas, devido à recuperação mais rápida de energias gastas durante um período de reprodução (MENEGHETI & MARQUES, 1981). Ao referir-se a Rhynchotus rufescens, LIEBERMAN (1936) considera a poliandra uma adaptação eloquente à reprodução rápida num curto período, já que mais de uma fêmea faria postura num mesmo ninho. Assim, mais rapidamente é atingido um número mínimo de ovos normalmente observados nos ninhos. A incubação se iniciaria mais rapidamente e, desta forma, os ninhos ficariam menos expostos a riscos. (Wiki Aves).

Nosso registro atual ocorreu nos pastos de uma propriedade rural no distrito de Sobreiro, no município de Laranja da Terra, região oeste deste Estado do Espirito Santo.


Estavamos observando aves nas proximidades de um capoeirão e chamando com o playback o Inhambu-Chintã, Crypturellus tataupa. 

Próximo, um casal de seriemas caçava insetos e grilos. Subitamente, essa perdiz em um voo rasante veio se abrigar em um descampado muito proximo onde estava. Percebi que nossaa perdiz fugiu das seriemas, provavelmente estava no ninho e, em um comportamento de defesa de seu ninho, a ave precipitou-se para a frente com o intuito de despistar as seriemas que poderiam predar seus ovos ou filhotes. A Perdiz não nos viu e ficou um tempo escondida na vegetação. Após alguns minutos, não vendo mais as seriemas, a Perdiz procurou voltar a seu ninho. Nem tentei descobrir esse ninho, pois poderia ser ruim para a ave. Limitei-me a observar e tirar essas fotos acima e abaixo.















 Aqui a Rhynchotus adentrando a vegetação rasteira, certamente para voltar ao ninho. Hora de deixar a ave com calma e tranquilidade.















Relato assim, do encontro com essa ave maravilhosa! Destaque que a ave, não vocalizou na região nessas datas. Certamente o auge da vocalização ocorre algum tempo antes, quando os indivíduos estão procurando seus parceiros para acasalamento.

Muito obrigado, pessoas que nos honram com suas visitas!!

36 comentários:

  1. Cai de paraquedas nessa página e gostei do relato, estão de parabéns pelo zelo em não pertubar o ninho, só assim poderemos ver mais dessas lindas aves.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado amigo Wantuir! É essa a nossa preocupação. Inclusive, no momento, fiquei preocupado se as seriemas tinham encontrado o ninho mas depois me tranquilizei: ficaram longe! Um abc!

      Excluir
    2. Eu queria comprar ovo dessa ave

      Excluir
  2. Humm, que legal! Na minha infância no interior da Bahia havia bastante e até eu caçava. Hoje é dificílimo encontrar uma. Parabéns pelo encontro e fotos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rogério, obrigado pela visita! A caça excessiva pode levar essa espécie a extinções locais! Um abc.

      Excluir
  3. Parabéns divino pelo seu empenho em preservar espécies nativas .Deus te Abençoe. Tenho sítio em Pedra Azul D.Martins .faço de tudo para proteger as espécies nativas

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela reportagem.👏👏👏 Muito legal. Obrigado.

    ResponderExcluir
  5. No cerrados de Goiás e nos pastos encontramos muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, é uma região natural para as perdizes! Mas o bicho que tenho mais curiosidade aí é o Inhambu-carapé! Obrigado pelo comentário!

      Excluir
  6. Muito bom o seu relato e encontro com a Perdiz. E parabéns pelo cuidado q teve. Aqui na região onde moro Bauru-SP, ainda não pude avista-la e nem ouvi-la. Espero um dia registrar a presença da espécie aqui.

    ResponderExcluir
  7. No WikiAves tem uma foto de perdiz feita aí em Bauru, em uma região de cerrados! A dica principal é ficar atento aos cantos nos pastos! O canto da Perdiz é muito bonito e facílimo de identificar! Obrigado!

    ResponderExcluir
  8. Aqui no Rio Grande do sul é conhecida como Perdigão, vive em campos com pastos mais altos ,por aqui se conhece por campos com macega, já está difícil emcontra-las devido a caça e / ou agricultura...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, se não for pelo menos poupada dos caçadores, o destino será extinções locais! Ela é muito vulnerável ao chamado de seu canto.

      Excluir
  9. Parabéns pra esse consciente fotógrafo Por ter cuidado de preservar essa espécie tão importante em nossa região

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Realmente é uma espécie muito importante e bonita também! E seus hábitos são muito interessantes!

      Excluir
  10. Bacana viu,aqui no Tocantins tem bastante!

    ResponderExcluir
  11. Bacana viu!
    Aqui no Tocantins tem bastante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em 2019 estive no Tocantins, fomos até Abreulandia e em uma manhã vimos uma perdiz proxima à estrada! Nao conseguimos foto pois a ave sumiu no mato! obrigado pela visita!

      Excluir
  12. ha alguma associacao para proteger esse passaro no brasil quero me associar meu contato 13 988599913.me chame wats zap.

    ResponderExcluir
  13. Eu não conheço nenhuma associação dedicada à proteção da Perdiz! O que acontece é que todos os animais nativos são protegidos pela legislação. mas você pode procurar na internet sobre criadouros de Perdiz, se tiver interesse. Por exemplo, existe o site Nativos do Brasil, endereço no Face: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.139069883093645&type=3
    obrigado pela visita e um abc.

    ResponderExcluir
  14. Também gosto Da pesca,
    Na nossa região, próximo a Itapetinga
    BA,sempre quê vou pescar,passo horas escutando os cantos das perdizes,,
    Temos muitas em nossas terras na fazenda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo Paulo! Duas maravilhas em um só lugar! Peixes e aves! A Bahia é muitíssima rica em aves! Um abc.

      Excluir
  15. Muito bom! Viagei várias vezes para interior de Minas e Mato G.do Sul ví muitos animais vivos e mortos.
    Acho que ainda temos um instinto predador quase assassino pois vários dos bichos mortos nas estradas estavam no acostamento. Isso significa que infelizmente alguns os atropelaram propositadamente creio eu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente isso parece ser verdade! Mas, devagar vamos melhorando! Precisamos acreditar! um abc e obrigado.

      Excluir
  16. Lembranças de um Brasil rural vividos por muitos de nós e ainda crianças. Fazíamos parte de algum eecossistema, sem predação. Pássaros fizeram parte do meu universo infanto
    juvenil e sinto-me previlegiado. Parabéns prezado pelo zelo com o meio ambiente.

    ResponderExcluir
  17. Obrigado e eu também me sinto como um "remanescente" desses tempos! um abc.

    ResponderExcluir
  18. Maravilha está reportagem fez me recordar de outros tempos que não voltam mais , parabéns pela lembrança. Perdiz

    ResponderExcluir
  19. Amei a matéria! Desde criança eu ouvia falar desda linda ave, pelo meu pai, e meus tios que saíam para caçar a espécie. Sem consciência, lógico, que um dia se tornaria tão raro de se ver. Obrigada pela preocupação de defender a espécie e mostrar essas imagens.

    ResponderExcluir
  20. Amei a matéria! Desde criança eu ouvia falar dessa linda ave, pelo meu pai, e meus tios que saíam para caçar o animal de carne tão desejada. Sem consciência, lógico, que um dia se tornaria tão raro de se ver. Obrigada pela preocupação de defender a espécie e mostrar essas imagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Avany, obrigado pela visita! Essa ave é maravilhosa e quanto à sua caça, poderia ser praticada com moderação, o que, creio não levaria a espécie à extinção. O Problema como sempre acontece são os excessos que levam a espécie ( qualquer uma!) à extinção. Falta orientação e conscientização à maioria das pessoas que caçam.!

      Excluir

Muito obrigado pela visita e comentário!