Translate

terça-feira, 22 de dezembro de 2020

Última excursão de 2020 à Estrada de Sertão Velho.

Aproxima-se o fim de ano e nesses momentos, costuma se fazer uma avaliação dos trabalhos, sucessos e dificuldades do ano que se encerra. 2020 foi um ano impactado pela pandemia da Covid-19 impondo muitos obstáculos para o  desenvolvimento de nossas atividades. Então, algumas excursões que tínhamos planejado para outras regiões do país, tiveram que ser canceladas! Mas, optamos por não fazer uma revisão pontual do ano que está se findando. No lugar, preferimos relatar nossa ultima excursão, ressaltando aspectos importantes de uma importante área verde de floresta que possuímos perto de nossas casas!  Até o mês de julho, mais ou menos, ficamos confinados e quarentenados, quase não saindo de casa. Depois, redescobrimos nossas excursões à localidade de Sertão Velho, onde, pudemos praticar nosso esporte favorito mantendo e observando as instruções de proteção quanto ao Corona vírus. É um local onde podemos observar e apreciar a magnitude de nossa avifauna, sem precisar de se fazer aglomerações. Pudemos praticar nosso esporte mantendo o distanciamento tão necessário para proteção. Então, 2020, foi quase exclusivamente o ano de Sertão Velho, somente observamos aves nessa região e em outras áreas próximas como a Ilha do Boi ou o Parque Estadual de Setiba.

Dessa forma, dirigimo-nos ao local de Sertão Velho, na última sexta feira dia 19 de dezembro para aquela que seria a ultima excursão de birding de 2020.




A região é toda ocupada por matas, principalmente matas secundárias como capoeiras e capoeirões.




 No topo dos morros, encontramos matas inacessíveis, onde muitas vezes encontra-se a palmeira Jerivá Syagros romanzoffiana.


Estrada rural, no caminho até Sertão Velho.

Essa área florestal, bastante rica em biodiversidade, situa-se apenas há cerca de 35 Km. de Vitória, a capital do Estado. Compreende-se portanto, sua importância para a preservação da fauna e flora da região. A reserva foi fundada em meados do Século XX visando a preservação dos mananciais de água da cidade de Cariacica.


Aspecto da mata secundária, até  uma altitude de uns 300 metros. Esse capoeirão não se situa dentro da área da reserva, mas é vizinho. Ao lado, encontra-se a mata alta secundária, onde por várias vezes ( inclusive neste dia), registramos o Sabiá-pimenta ou Coxó, Carpornis melanocephala. Nesse lugar, também, durante o ano, vimos e ouvimos várias arapongas Procnias nudicollis vocalizando muito.




 Interior da mata secundária alta. A estrada margeia a reserva por uma boa extensão. Notar a altura das árvores, cerca de 25-30 metros. Nesse ambiente, encontramos a Mãe-da-lua parda, 
Nyctibius aethereus.



Exemplar de árvore grande, talvez um jequitibá,.

 

Nesses locais, durante o ano de 2020, fizemos importantes registros de aves raras, como a Choquinha chumbo Dysithamnus plumbeus. Depois de várias tentativas, finalmente conseguimos um primeiro registro desse Thamnophilidae que e uma ave pouco comum e exigiu muito para que conseguíssemos fotografa-la.

 

Também ficamos conhecendo nesses locais, outra choquinha de tamanho diminuto, a Choquinha pequena Myrmotherula minor. Para conseguir identifica-la e fotografar, tivemos de decorar os sons produzidos pela ave. Finalmente, teve um belo dia, que ela apareceu integrando um bando misto. E, além de seu tamanho pequeno, 9 cm., conseguimos identifica-la quando finalmente entoou seu canto característico dentro do bando misto!



A copa da arvore da figura anterior, que supomos ser um jequitibá


Outra ave muito importante dessa reserva é o Coxó, ou Sabiá pimenta. Carpornis melanocephala, ao lado; é um cotinga e, como tal, uma ave muito especial e ameaçada. Somente sobrevivem em matas altas da baixada litorânea. Não adentra as matas das serras da cordilheira marítima, e daí, se percebe que são poucos os lugares remanescentes onde podemos encontrar essa preciosidade. No Estado do Espirito Santo, ela só é encontrada aqui em Duas Bocas e nas reservas de Linhares e Sooretama. Destaque que conhecemos essa ave no lugar desde os idos de 1988.





A Ariramba de cauda ruiva, a Galbula ruficauda é ave comum e muitas vezes já registrada. Porém, não resistimos a fotografa-la mais uma vez devido sua graça e beleza!









A Fêmea da Choquinha-de flancos brancos Myrmotherula axillaris, é uma ave graciosa como todas as Myrmotherulas, mas muito ágil em suas excursões pela mata à procura de insetos. É ave comum, talvez a mais "fácil" das myhrmotherulas para se fotografar.

O Carpornis melanocephala em outra pose!

Na verdade, ele é bem difícil de se ver! Conseguimos essas fotos, porque sabemos os locais onde se esconde e tocamos sua voz no gravador!



Um dos Papa-formigas mais frequentes em matas extensas e altas é esse ai do lado. Na foto, a fêmea da Papa-Taoca-do Sul, Pyriglena leucoptera.
Essa espécie desaparece de matas pequenas, menores que 300 hectares! É um assíduo freguês das formigas de correição; aqui em nossa região, , das formigas legionárias (correição) ocorrem as espécies  Eciton burchelii e Labidus praedator.

Quando está seguindo as formigas de correição, a Pyriglena emite uma voz forte, alta e muito característica que ecoa pela mata.


Temos três espécies de Surucuás nas matas de Duas Bocas. Esse aí é o Surucuá de barriga amarela, Trogon rufus.
Aves muito bonitas e territoriais, são comuns na região. Para nidificar, utilizam-se de cupinzeiros arbóreos, onde escavam um túnel para por seus ovos.
O Beija-flor Thalurania glaucopis.

Fêmea do Tiê de bando, Habia rubica. Ave muito encontrada nesses locais que visitamos.

Percorrem a floresta em bandos e possuem um chamado forte e rascante. Os machos possuem uma coloração muito bonita, vermelho canela. São aves estritamente florestais..



Também nos interessamos por arvores frutíferas nativas ou não, que contribuem para a alimentação da fauna.

 

Essa árvore ao lado é uma Annonaceae, chegamos a coletar algumas frutas caídas e conseguimos muitas sementes para plantio.

A fruta é macia e doce, e a casca estava toda bicada pelas aves. Mas, pensamos que os mamíferos é que devem se interessar mais por essa fruta! Uma árvore de mais de 10 metros de altura.







As Imbaúbas, estão entre as arvores mais apreciadas pela nossa fauna para alimentação.

São verdadeiras "lanchonetes do mato"! E suas frutas, essas "bananinhas" pendentes, quando maduras, atraem tanto aves quanto mamíferos. Já vimos bandos de macacos Guaribas Alouatta, no alto das imbaúbas comendo suas frutas.

Essa arvore de folhas brancas, é a maior imbaúba de nossa região e talvez da floresta atlântica!

Trata-se da Imbaúba prateada, a Cecropia hololeuca, que fornece abundantes frutos para os bichos. Nas matas onde ocorre, fornecem uma tonalidade muito bonita com suas folhas brancas contrastando com o verde.
Folha de imbaúba.


As Melastomáceas também são muito abundantes e muito generosas com nossa fauna.

Quase todas possuem infrutescências que atraem bastantes nossas aves da mata.

Geralmente suas frutinhas, quando maduras, adquirem uma cor preta, o que chama muita atenção de saíras, sais, tangarás, píprideos,etc.
Nessa espécie, pode-se ver as frutinhas ainda verdes do arbusto.



Essas, são espécies de melastomáceas arbustivas. Mas são inúmeras as melastomáceas arbóreas em nossa região. Na subida da serra, podemos contemplar as belíssimas quaresmeiras, que nos meses de Março a Junho adquirem a cor roxa em grandes floradas.

Também são frequentes em nossa estrada, as canelas do gênero Lauraceae, das quais, inclusive chegamos a fazer algumas postagens sobre a alimentação que proporcionam às aves.
FOTOS DE ALGUMAS DAS AVES  MAIS EMPOLGANTES QUE VIMOS NA ESTRADA DE 

SERTÃO VELHO DURANTE  2020:


Choquinha-pequena   Myrmotherula minor.

Mãe-da-lua parda   Nyctibius aethereus.



Choquinha-chumbo  Dysithamnus plumbeus.

Araponga  Procnias nudicollis.




Patinho gigante  Platyrinchus leucoryphus.
E assim, amigas e amigos, encerramos nossa postagem de Natal sobre observação de aves em nossa região.

Muito obrigado a todas e todos que nos visitam e Feliz Natal.










3 comentários:

  1. Excelente relato grande mestre José Silvério! Muito obrigado pela oportunidade que tive de acompanhá-los em uma dessas incursões!
    Um excelente final de ano e um próspero 2021.

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente,perfeito,aleluia a vocês e a natureza de nosso maravilhoso país

    ResponderExcluir

Muito obrigado pela visita e comentário!