Translate

sexta-feira, 19 de agosto de 2022

OS INCRÍVEIS COTINGAS AMAZÔNICOS!

Pessoas conhecedoras da diversidade e um pouco da biologia da classe AVES, sabem que, uma das famílias mais incríveis nesse universo e também mais famosas e belas, é a família dos COTINGIDEOS!

Os  COTINGAS  como são comumente chamados e referenciados, são famosos não apenas por sua beleza ou iridescência das plumagens de muitos de seus integrantes, mas, também pelo seu comportamento e pela diversidade de suas espécies.

Nesse pensamento, lembro-me da descrição que Eurico Santos fez em seu livro Pássaros do Brasil, Ed. Itatiaia, BH, 2004. Segundo ele, o mundo dos Cotingídeos compreende uma multidão de aves das mais diversas cores, com uma grande variedade de comportamentos e cantos.  Vão desde os gigantes Anambé-preto (Cephalopterus ornatus) até criaturas diminutas como o Tietê-de coroa (Calptura cristata) na época ainda classificada entre os Cotingídeos. Com vozear impressionante como as arapongas, ou altissonante como o Cri-crió.

Nessa mensagem, farei referencia apenas às quatro espécies que vimos recentemente em nossa viagem ao Amazonas. Foram quatro (4) espécies! A Amazônia é a região onde existe a maior diversidade e evolução essa família. É a região dos incríveis pássaros conhecidos em língua inglesa como os famosos Umbrellabirds, ou dos Fruitcrows. 

Porém, o viajante que for até lá esperando encontrar essas aves vai ter trabalho. Apesar da imensidão da floresta, verde por todo lado, cortada por algumas estradas, muitos rios e alguns lugares mais acessíveis, registra-los não é fácil! Sai-se com a impressão, que na verdade, em que pese  a grandeza e imensidão da floresta, são aves raras. O tamanho da floresta torna ainda mais difícil encontrar com eles. Talvez seja menos difícil conhecer algum ponto de alimentação para conseguir um possível encontro fortuito com essas aves magnificas, verdadeiras joias da criação! Outra possibilidade é o conhecimento de suas vocalizações. Se a pessoa não conhecer essas vocalizações tudo fica ainda mais difícil. Só mesmo a sorte para ajudar nesse encontro!

Por essa razão, os guias de birdwatching conhecedores da região e de suas vozes, são imprescindíveis para se conseguir localiza-los.


Então, vamos às quatro espécies que vimos:

PRIMEIRO REGISTRO:  SAURÁ.















Saurá, Phoenicircus carnifex, nos observando, desconfiado, meio escondido na árvore!

Ave linda demais, com seu colorido vermelho que se destaca contra o verde da mata. Foi descoberto por nossa guia Vanilce de Souza Carvalho, ao ouvir seu chamado dentro da mata. Alimenta-se principalmente de frutos e o curioso, segundo o Wiki Aves é a plumagem do filhote no ninho. O ninhengo chega a assemelhar-se mais a uma lagarta que a um pássaro. Mesmo não sendo considerado como raro ou ameaçado, podemos notar que sua área de distribuição conhecida ( pelo menos até hoje!) não é muito vasta:


Os registros do Saurá, Phoenicircus carnifex conforme fotos e sons publicados no Wiki Aves.


Mapa retirado do Wiki Aves:

Mapa de registros da espécie saurá (Phoenicircus carnifex) | Wiki Aves - A Enciclopédia das Aves do Brasil




                SEGUNDA ESPÉCIE:  ANAMBÉ-AZUL.


Nossa segunda espécie foi o Anambé-Azul, Cotinga cayana.

O Anambé azul, a Cotinga cayana é desses cotingas típicos, que acreditamos poder encontrar ou ambicionamos registrar graças à beleza de sua plumagem!  No local que registramos essa ave, havia dois machos e também vimos fêmeas. As aves procuravam o lugar devido à abundancia dos açaizeiros, Euterpe oleracea, que estavam com os cachos cheios de coquinhos de palmito açaí ainda maduros! A forma deles pegarem esses coquinhos é muito típica dos cotingas:  Em um pulo, abocanham o fruto e logo a seguir num movimento rápido e gracioso, "deixam-se cair" no estrato mais baixo da floresta. 

 Outra foto de um dos machos que estiveram no local.


A cor roxa marca fortemente a garganta da ave!








A fêmea do Cotinga cayana também é muito bonita!









O Mapa de distribuição do Anambé- Azul, mostra que essa espécie tem a mais vasta distribuição na Amazônia, ou seja, pode ser considerada como a "menos rara" dos cotingas. Inclusive, o numero de registros é bem maior que o do Saurá.

imagem retirada do site Wiki Aves:








TERCEIRA                   ESPÉCIE REGISTRADA:        ANAMBÉ POMBO.


Anambé-Pombo, Gymnoderus foetidus, pousado calmamente, escondido na vaegetação à beira-rio.

Esse foi o registro mais difícil e também o mais aguardado! Há muito tempo tencionava conhecer essa ave, mas desta vez, por um pequeno lapso de tempo, pude vê-lo e quase fotografa-lo! Digo quase, porque essas fotos ficaram ruins, mas mesmo assim resolvi aproveita-las porque considero um grande momento e registro. Foi somente graças à nossa guia Vanilce de Souza Carvalho, que consegui essas fotos, que teve a proeza de descobrir "o bicho" escondido no meio dessa copa! Essas fotos foram feitas no arquipélago das Anavilhanas, dentro do Parque Nacional das Anavilhanas.


Ele se inclinou no galho da arvore!












o "figurão", na sua zona de conforto.











 Depois de algum tempo, a ave voou atravessando o rio. Nessa hora que muitas vezes falta agilidade para mudar as configurações de foto e acompanhar o voo.

Não ficou boa, mas valeu o encontro furtivo com esse cotinga tão típico e interessante!





A tradução do nome latino significa "ave fedorenta com pescoço nu". Ainda não li referencia sobre o cheiro dessa ave, se ela realmente apresenta mal cheiro. Mas o fato é que é um anambé muito bonito e interessante! Como alguns cotingas, criam apenas um filhote.


A distribuição do Anambé Pombo, indica que ele não é tão raro como eu pensava. É uma distribuição vasta que abrange toda a Amazônia e, também nos países vizinhos amazônicos.
É uma ave que aprecia viver nas margens dos grandes rios.

fonte:





QUARTO E ULTIMO COTINGA VISTO:  GALO DA SERRA.


O Galo da Serra, Rupicola rupicola fotografado nas matas da pousada Mari-Mari.

Essa é uma das aves mais famosas e mais bonitas da Amazônia! SICK, em sua obra monumental sobre as aves brasileiras, compara sua beleza à das aves do paraíso!

É uma emoção diferente ve-lo voar baixo no sub-bosque da floresta. Visitamos um lugar em que vários machos escolheram para fazer sua "arena", onde se reúnem para atrair as fêmeas para acasalamento!

Porém, apenas uma fêmea compareceu ao encontro quando lá estivemos! Aparentemente o numero de machos é superior ao de fêmeas!

Esse comportamento dos machos, é comum ao de vários cotingideos, que costumam se reunir em arenas ou "cemas" para cantar e atrair as fêmeas!

 Fotografei uma fêmea, em local escondido, procurando os açaizeiros para alimentação!

Também é muito bonita, mas, me pareceu mais desconfiada que os machos!












A beleza dessa ave realmente é muito brilho!

















Ao pressentir, ou mesmo (creio!) imaginar que a fêmea está se aproximando, os machos jogam-se ao solo exibindo-se e mesmo fazendo algumas coreografias!

Procuram mesmo chamar a atenção e nesse dia contamos 8 machos no local!





A Distribuição do Galo da Serra tem uma distribuição pequena, com registros conhecidos em apenas dois municípios do Amazonas e mais comumente em Roraima e também alguns registros no Amapá.

fonte:







É o que lembramos por ora sobre essas aves, ressaltando nossas impressões pessoais. Há muito  literatura sobre os Cotingas, inclusive no próprio site Wiki Aves, que recomendamos!




AGRADECEMOS ÀS PESSOAS QUE NOS VISITAM!!  👍👍


























Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado pela visita e comentário!